segunda-feira, 23 de março de 2009

voo de um pássaro errante

sobrevém-me um imenso cansaço
germina em mim uma vontade de parar
um gélido abraço
obstinada recusa em continuar a sonhar

soberano imponente
este silêncio… entre nós
oculta num segredo tudo aquilo que se sente
ocupa a ausência da tua voz

e reconheço-me indiferente
esconjurei já todas as saudades
solitário no meio de tanta gente
alienei tudo o que foram as minhas verdades

nada mais me resta então
que o simples fruir da passagem dos dias
renego como infértil o chão
onde em vão semeei poesias

foi um vento que passou
voo de um pássaro errante
sonho que sonhar em mim se ousou
como novos mundos desejou o infante

no imenso e profundo universo
cabe bem mais um rumo perdido
que se ausente o amor do meu verso
renegarei alguma vez o ter sentido

quero o vazio… tudo é espaço
a ausência reina-me sem oposição
caminhos que não calcorreará mais o meu passo
poemas que os vindouros não me celebrarão

nada mais me resta que o nada
substanciando-me de coisa nenhuma os dias
minha nação soçobrada
por ser esconsa a mão que lhe forjou as geografias




leal maria

2 comentários:

Joana L. disse...

É verdade... e que angústias. Faz parte de tudo. Supõe-se que isso traga um certo equilíbrio mas às vezes tomba mais para um dos lados.
Eu cá acho que não deves por em causa o teu talento para a escrita, nomeadamente para a poesia. Escreves realmente muito bem:).Mas sei que é tão mais fácil ver que os outros possuem brilho… e parecem-nos sempre tão seguros que se mostram insegurança quase parece mentira, qualquer coisa de ridículo!
Eu penso que nunca saberei responder a essas palavras...sinceramente... Sinto-me preenchida ao ler o que os meus desenhos te transmitem... Mas acho que esta dúvida vai atormentar-me por muito tempo – senão sempre - , é algo com que não consigo lidar... há pessoas tão seguras de si, do que fazem, (às vezes até demais). .. há outras que não … (o meu caso).
Parece que existe uma pedra dentro de nós que não dá para arrancar.
Mais justos...pois...Talvez um dia consigamos ser justos connosco próprios …
Um grande beijinho * obrigada*

Joana L. disse...

que lindo !
Revejo-me em certas passagens...
nesse sentimento.

Procura uma editora! Porque não procuras?? A sério!!!!